Feeds:
Posts
Comentários

Videos dos participantes

Anúncios

Bem ai vai o algumas das fotos da roda se quiser baixar todas as fotos click aqui

Os Mano

Chico (Gumga) Chocolate (Medio)

Luane Mandou ver no Cantando (Nzambi)

Luane (Nzambi) mandando ver no corrido

Chico

Chico (FICA) falando do Aniversario do Mestre Pastinha

Meninas

Tem mulher também 🙂

bateria

Chocolate (Gumga) Maranhão (Viola) Mineiro (no pé do berimbau a direita) etá turma boa.

movimento

Eita num grude não vio. 🙂

maranhão

Salta a mandinga Maranhão 🙂

Chocolate e fabinho

A se entra huauhua 🙂 Chocolate (Palmares) e Fabinho (FICA).

Chamada

Olha a chamada Chocolate (palmares) Fabinho (FICA)

é agora

Essa foi boa. 🙂

Bem ficamos por aqui e esperamos sua proxima visitinha.

MESTRE PASTINHA: GUARDIÃO DA CAPOEIRA ANGOLA

Pastinha

Mestre Vicente Ferreira Pastinha (1889-1981) é considerado o guardião da Capoeira Angola e foi responsável por sua difusão e valorização no século XX, ensinando que tal arte “é mandinga de escravo em ânsia de liberdade”. Com um forte poder social e educativo, a Capoeira traz em sua filosofia ensinamentos importantes como ancestralidade, oralidade, identidade e história.

Hoje ela se faz presente em locais de vulnerabilidade social, escolas e associações comunitárias como instrumento educativo e transformador. Sua atuação se desdobra em ações como a aprovação da Lei 10.639/03, que estabelece a obrigatoriedade do ensino da história da África e afro-brasileira nas escolas.

“A Capoeira Angola é mandinga de escravo em ânsia de liberdade”.

Mestre Vicente Ferreira Pastinha (1889-­1981)

A Capoeira Angola também apresenta efeitos indiretos importantes, atuando como elemento de conscientização e identificação da criança, jovem ou adulto com o seu meio, com si mesmo e com os outros, promovendo a valorização do notório saber dos mestres populares e ampliando o diálogo racial e de gênero. A Capoeira Angola nos remete à origem da capoeira no Brasil e por isso é reconhecida como patrimônio imaterial, símbolo de luta e resistência na construção da identidade do povo brasileiro.

Com um dia tão especial para a Capoeira Angola, os Angoleiros do Cerrado não poderiam deixar isso de lado então vamos brincar na roda, comemorando os 119 anos de nascimento do Mestre Pastinha.

Dia 05 de Abril de 2008, Sábado – Na frente do Conjunto Nacional, não perca essa oportunidade de bricar na paz.

“Menino quem foi seu Mestre…”

“Ieeeeee viva a Pastinha…”

A CAPOEIRA ANGOLA

CAPOEIRA ANGOLA

A Capoeira Angola é uma expressão da tradição afro-brasileira calcada em exercícios de (con)vivência grupal. Sua prática representa a conjugação de diferentes manifestações culturais que incluem a dança, a música, a dramatização, a brincadeira, o jogo e a espiritualidade. Em seu ritual todos participam e cada um é fundamental e único.

Para o jogo de Capoeira Angola, os capoeiristas formam uma roda que faz a representação do mundo com elementos de sustentação e ordenação: os instrumentos, a música, a palavra cantada, os fundamentos e a ética do jogo.

No espaço da roda há uma dramatização de luta que transforma possíveis golpes poderosos em gestos contidos no momento do toque no adversário. A movimentação individual nesta dança-guerreira está fortemente relacionada aos movimentos do outro capoeirista no jogo, em processos reflexivos, de valorização da auto-estima e de superação de estigmas.

A capoeira é um processo de auto-conhecimento que não se limita à atividade físico-corporal e busca uma reestruturação do indivíduo a partir de experiências coletivas.

Assim, ao praticar a Capoeira Angola estamos nos propondo a interagir individual e coletivamente com o mundo participando das suas dinâmicas sócio-culturais. O debate e a reflexão são, para a formação do capoeirista, tão importantes quanto o treino e o jogo de capoeira.

Movimentos da Capoeira Angola

rabo de arraia

Os movimentos da Capoeira Angola são tradicionais, mas cada capoeirista os reproduz a partir de sua constituição física e gestualidade.

Há uma série de movimentos (golpes) básicos que se desdobram em variações e combinações complexas, o que leva a compará-los com os sons musicais.

A seqüência é opção de cada capoeirista, sempre em estreita dependência dos movimentos do parceiro de jogo.

 

 

“Era eu era você

Era você era eu

Era eu era meu mano

Era mano era eu

Você não jogava sem eu.”

(Mestre Pastinha)

O jogo se desenrola com a ginga, movimento de dança e de luta; de concentração e descontração, personalizado, e desconcertante”. Mas muitas começam com movimentos próximos ao chão.

De pernas para o ar, o capoeirista está em posição de ataque e ao mesmo tempo defende tronco e cabeça… Pode girar as pernas tendo a cabeça ou mãos como eixo. As pernas no chão podem levar um golpe aos pés do parceiro ou formar uma tesoura para derrubá-lo.”

“Mãos no chão, como em falsa queda, as pernas continuam livres, de frente ou de costas. Já de pé, o capoeirista pode partir para uma cabeçada ou se agachar para uma rasteira.

De frente para o parceiro, pode surpreendê-lo sendo direto ou desenhando um golpe no ar. Ou se esquivar e ao mesmo tempo golpear. E de repente girar e voltar, como pião. Se preciso, pode procurar espaço, dissimulado, de cabeça para baixo. E logo rolar, protegendo a cabeça e preparando um ataque. Ou se afastar voando pra trás…”

Os movimentos do jogo de capoeira angola, circulares, com aproximações e afastamentos, lembram os movimentos dos animais quando se encontram, cada um com seu corpo, percepção e habilidades.

A Musica na Capoeira Angola

A música é um componente fundamental na Capoeira Angola. Ela determina o ritmo e o estilo do jogo que é jogado durante a roda. A música é composta de instrumentos e de canções, podendo variar de acordo com o ritmo, variando do jogo lento a rápido. Muitas canções são na forma de pequenas estrofes intercaladas por um refrão, enquanto outras vêm na forma de longas narrativas (ladainhas). As canções da Capoeira Angola têm assuntos dos mais variados. Algumas canções são sobre histórias de angoleiros (praticantes da Capoeira Angola) famosos, outras podem falar do cotidiano de uma lavadeira. Algumas canções são sobre o que está acontecendo ou sugerindo acontecer na roda, outras sobre a vida ou um amor perdido, e outras ainda são alegres e falam de coisas tolas, cantadas apenas para se divertir. Os capoeiristas mudam o estilo das canções frequentemente de acordo com o ritmo do berimbau. Desta maneira, é na verdade a música que comanda a roda de Capoeira Angola, e não só no ritmo mas também no conteúdo. O toque Cavalaria era usado para avisar os integrantes da roda que a polícia estava chegando; por sua vez, a letra é constantemente usada para passar mensagens para um dos capoeiristas, na maioria das vezes de maneira velada e sutil.

Os instrumentos são tocados numa linha chamada bateria. O principal instrumento é o berimbau, que é feito de um bastão de madeira envergado por um cabo de aço em forma de arco e uma cabaça usada como caixa de reverberação. O berimbau varia de afinação, podendo ser o Berimbau Gunga (mais grave), Médio (médio) e viola (mais agudo). Os outros instrumentos são: pandeiro, atabaque, caxixi e com menos freqüência o ganzá e o agogô.

Os Instrumentos da Capoeira Angola
Berimbau

 

O berimbau é um arco musical originado de outros arcos de regiões africanas com ocupação banto. A forma atual e o modo de tocar são construções dos afros-descendentes brasileiros.

O instrumento é composto pela verga de biriba, corda de aço, cabaça raspada, courão e caro. O courão impede que a corda rache a biriba e o caro é o barbante que ajuda na amarração da corda.

É tocado com a baqueta e o dobrão (uma peça de metal, antigamente uma moeda), com acompanhamento do caxixi.Berimbau

Há três berimbaus na Capoeira Angola:

O Gunga (de som mais grave, que faz a marcação do toque e rege a roda de capoeira), o Médio e o Viola (de som mais agudo).

Caxixi

É um pequeno cesto com sementes. Tem, possivelmente, influências africanas e dos indígenas brasileiros em sua construção. Usado com o berimbau, dá um segundo momento no ritmo da baqueta no fio de aço.

Atabaque

É um tambor de origem afro-brasileira com uso tradicional em rituais de candomblé. Na Capoeira Angola, é tocado só com as mãos e acompanha o berimbau Gunga na marcação do ritmo do jogo.

Pandeiro

O pandeiro é de origem asiática e era usado pelos portugueses, em Portugal e no Brasil, passou a ser usado aqui em várias manifestações musicais.

Na roda de Capoeira Angola, a batida no pandeiro, com floreios, acompanha o som do caxixi.

Agogô

É um instrumento de origem africana. Tem a função de ser um contraponto rítmico aos berimbaus e ao atabaque.

 

Reco-reco

Instrumentos de percussão fina enriquecem um conjunto com detalhes e variedade sonora. Na Capoeira Angola, o reco-reco acrescenta esta variedade às vibrações únicas do agogô.

O reco-reco parece ter origem africana pois é encontrado em várias manifestações culturais afro-brasileiras.

Todos os grupos humanos possuem os seus próprios instrumentos musicais, mas também encontramos intercâmbios, influências e bases comuns. “Fazedores de barulho” harmônicos, como os reco-recos e chocalhos, são encontrados em muitos grupos, associados à alegria e às ligações espirituais.

 

Cantos

… cantar, tocar, e jogar …

Mestre Pastinha dizia que os capoeiristas, quando estavam em brincadeiras (em roda), respeitavam os mestres e os companheiros, improvisando gestos, cantos e respondendo em coro.

Dizia, ainda, que não é defeito não saber cantar, mas é defeito, e proibido na bateria, não saber responder em coro ao cantador, que canta um enredo improvisado.

Toques de Capoeira Angola


Os diferentes ritmos utilizados na Capoeira Angola, como tocados no berimbau, são conhecidos como toques; estes são alguns dos toques mais comumente utilizados:

* Angola
* São Bento Grande de Angola
* São Bento Grande
* São Bento Pequeno
* Iúna
* Cavalaria
* Santa Maria

rodaA Roda de Capoeira Angola

Jogada em círculo, a Capoeira Angola é infinitamente variada, com combinações de movimentos ilimitados, que envolvem as pernas, braços, cabeça, pés para o ar, sorriso e brilho nos olhos. Somam-se ao jogo o humor, a graça, a agilidade e a seriedade.
É certamente na roda que os aspectos ritualísticos da capoeira angola são mais representativos. É a participação na roda que cumpre o papel participativo do Angoleiro(a), momento esse mais importante para um Capoeira e que assim justifica o imperativo a sua presença, desde o início do processo de aprendizagem nem que seja como mero expectador, quando ainda não aprendeu a jogar, tocar, cantar. Nesse sentido, o maior evento no cotidiano do(a) Angoleiro(a), é a condição imprescindível à sua existência.